Destaques

Com a fusão ESPN/FOX Sports; canais podem compartilhar direitos de transmissão

(Reprodução)

A novela Disney/FOX, FOX Sports/ESPN, finalmente foi finalizada nesta quarta-feira (6) com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovando com ressalvas a compra da FOX pela Disney no Brasil. O UOL Esporte publicou importante matéria, esclarecendo dúvidas por parte dos telespectadores que acompanham tanto o FOX Sports quanto a ESPN, que agora, definitivamente, pertencem a Disney. Veja os principais pontos:

Inicialmente é preciso ressaltar que o FOX Sports precisa ser mantido no ar por pelo menos três anos a partir da aprovação do ato de concentração no início de 2019. Ou seja, a Disney tem que manter o canal principal do FOX Sports no ar pelo menos até 1º de janeiro de 2022, com todos os seus direitos de transmissão. Passada essa etapa, aí a Disney poderá deixar a marca e o canal disponível para algum novo investidor do mercado. Até 1º de janeiro de 2022, a Disney precisa manter também a equipe do FOX Sports.

Quanto aos direitos de transmissão pertencentes ao FOX Sports, o Cade liberou que esses eventos possam passar também na ESPN, mas não há nenhuma previsão sobre quando isso passará a ocorrer. Aliás, todos os direitos dos dois canais podem ser compartilhados.

A princípio, também, não haverá compartilhamento de profissionais. Quem é do FOX Sports fica apenas lá. Quem é da ESPN, poderá ser visto apenas na ESPN.Mas a Disney tem planos de promover a interação entre os profissionais dos dois canais.

Em nota, a Disney se mostrou satisfeita com a decisão do Cade. "A The Walt Disney Company (Disney) está satisfeita com a decisão publicada pelo CADE nesta quarta-feira, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, de aprovar a aquisição das redes de esportes a cabo adquiridas pela Disney no Brasil em sua fusão com a 21st Century Fox. De acordo com os termos desta resolução, a Disney espera oferecer um conteúdo ainda mais variado e qualificado de esporte e entretenimento para os consumidores no Brasil", disse Hernán Estrada, gerente-geral da Disney no Brasil.


Nenhum comentário

Deixe seu comentário