Destaques

Mauro Naves fala que estreia na função de comentarista foi acelerada pelo FOX Sports


Reprodução/FOX Sports)

O ex-repórter e agora comentarista, Mauro Naves, concedeu entrevista ao UOL Esporte e na oportunidade falou da experiência de comentar a primeira partida in loco no FOX Sports, sua nova casa, o que ocorreu em março. Foi o duelo  entre Palmeiras x Guaraní, pela Copa Libertadores da América, ao lado de Téo José e Edmundo.

"Não foi nada natural. Cheguei ao estádio e a primeira coisa que fiz foi ir lá embaixo, dei um abraço no Fernando Caetano [repórter da Fox], queria ver se eu encontrava dirigentes para pegar informações. Eu meio que quis, enquanto deu tempo, seguir a velha rotina", disse. "Se eu puder, vou sempre passar lá por baixo, ouvir a torcida, é muito gostoso. Sentir aquele clima lá de baixo, onde passei 30 anos. Às vezes sendo xingado, às vezes elogiado, mas ouvindo o barulho da galera", completou.

Mauro Naves admite que a estreia na função foi acelerada pelo FOX Sports: "Cheguei lá e achei que eles iam esperar eu me ambientar um pouco, mas lá é a casa da Libertadores, já estava começando a fase de grupos e eles 'nananão, a cabine é ali, manda ver, vai dar tudo certo'. O que me dava frio na barriga era isso, precisa de outra embocadura, contexto, jeito de falar, jeito de ver o jogo."

Entre sair da Globo e fechar com o FOX Sports, foi mais de um semestre sem trabalhar, mas não parado. Neste período, Mauro fechou com uma agência de marketing esportivo digital para cuidar de sua imagem e projetos, por exemplo. Também negociou sua volta à TV aberta: "Eu quase fui fazer Olimpíada para uma televisão, um projeto grande. Mas precisava de patrocinador. O patrocínio não apareceu, o tempo foi passando, aí veio o convite da Fox. Fui ao Rio bater um papo, mas fui sem saber se ia pegar."

"Se aparecesse patrocínio para esse outro projeto [cobertura olímpica na TV aberta], que me deixasse mais em casa e ajudasse a pagar as contas, eu faria, não ia me mudar para o Rio, ficar o dia inteiro lá e tal. Mas eu vi que estava difícil, fim de fevereiro, as contas vão chegando, tinha que pegar alguma coisa. Graças a Deus deu certo."


Nenhum comentário

Deixe seu comentário