Destaques

Animal Planet estreia a série 'De Abandonados a Supercães'


Nate Schoemer e Laura London são treinadores de cães especializados em selecionar cachorros resgatados provisoriamente acolhidos em abrigos e transformá-los no auxílio fundamental para pessoas com deficiência ou necessidades emocionais. DE ABANDONADOS A SUPERCÃES, a nova série do Animal Planet, documenta o trabalho da dupla em seis episódios.

Com estreia no domingo, 8 de março, às 23h10, a série acompanha Nate e Laura durante o processo de treinamento e capacitação desses animais: da escolha dos perfis adequados para cada caso à adaptação a suas novas funções e a seus novos tutores – uma jornada de muito esforço, recompensada por momentos comoventes e de pura fofura.

Com uma hora de duração, cada episódio apresenta dois tutores diferentes que estão à procura de um novo amigo entre cães resgatados. Durante um período de três meses, Nate e Laura trabalharão para ensinar habilidades específicas aos cães, tais como guiar deficientes visuais, levar e trazer objetos para pessoas com mobilidade reduzida, ser o apoio emocional durante uma crise de ansiedade e ainda realizar pequenas tarefas de grande valor, tais como chamar o elevador, fechar e abrir portas e acender ou apagar as luzes de casa.

Primeiro, Nate e Laura selecionam o cão com o perfil ideal para atender às demandas do futuro tutor. Depois de um primeiro encontro que testa a afinidade imediata entre cachorro e humano, começa o trabalho de treinamento: o cão precisa aprender a atender aos comandos do tutor que, por sua vez, precisa saber comunicá-los efetivamente. A expectativa de todos é que, ao final dos três meses, o cão tenha desenvolvido o potencial para se tornar um cão de serviço que seguirá em treinamento.

A cada ano, cerca de 3,3 milhões de cães dão entrada em abrigos nos Estados Unidos. Todos eles esperam ansiosamente por uma família e muitos representam um enorme potencial de serviço à comunidade. Mais do que pets e doadores de carinho, eles têm a esperteza necessária para se tornarem o auxílio fundamental que pessoas com deficiências ou necessidades emocionais precisam, conferindo-lhes autonomia.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário